FAQ significa “Frequently Asked Questions”, ou seja “Perguntas mais frequentes”. Estamos reunindo aqui nesta página as dúvidas frequentes que vamos ouvindo ao vivo ou nas redes sociais. Assim fica bom pra todo mundo, registrando e esclarecendo forma organizada.

Iniciativa nossa de proprietários das motocas, sem influência da fábrica. Divirta-se com a leitura e explore os links indicados, textos e vídeos. Tem muita coisa interessante!

Colaboradores: Adail Lester, Afonso Matias, Alan Fernando Girotto, Anderson Flor, Diego Honorato, Fernando Cominato, Flávio Bressan, Guilherme Moto Relax, José Maurício, Luciano Mendes e muitos outros!

 

RELAÇÃO DAS DÚVIDAS JÁ RESPONDIDAS NO TEXTO

01- COMO É ANDAR NUMA ROYAL ENFIELD?
02- QUE MOTO É ESSA? É CHINESA?
03- QUE OUTROS MODELOS TEM?
04- QUAL É MAIS CONFORTÁVEL PARA GARUPA, BULLET OU CLASSIC?
05- VAI TER OUTRAS REVENDAS NO BRASIL?
06- TEM EM QUAIS PAÍSES VIZINHOS?
07- SERÁ QUE É VISADA? QUANTO É O SEGURO?
08- POR QUE O MOTOR É FRACO ASSIM?
09- QUAL O CONSUMO DE GASOLINA?
10- QUAL A VELOCIDADE MÁXIMA?
11- MAS ELA VIAJA? AGUENTA?. Conheça o LIVRO DE AVENTURAS!
12- MAS ELA VIBRA MUITO?
13- DÁ MUITA MANUTENÇÃO?
14- O QUE FAZ NA REVISÃO?
15- MORO LONGE DA CONCESSIONÁRIA, COMO FAÇO?
16- MAS PODE RODAR SEM PLACA?
17- MAS E A GARANTIA?
18- ENCONTRA PEÇA FACILMENTE NO BRASIL?
19- AS PEÇAS SÃO CARAS?
20- QUAIS PEÇAS SÃO COMPATÍVEIS COM OUTRAS MOTOS?
21- QUAL GASOLINA USAR NESSA MOTO?
22- POR QUE O FREIO TRASEIRO AINDA É A TAMBOR?
23- SOBRE O ABS, COMO É? E TEM COMO DESLIGAR?
24- TEM CONSORCIO? FINANCIA? PEGA MOTO USADA NO NEGÓCIO? QUE CORES TEM? QUANTO CUSTA CAMISETA, LUVA, JAQUETA, ETC?
25- PARCEIROS DE VENDA EM OUTROS ESTADOS
26- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA. POSSO IMPORTAR?
27- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA, MAS TEM EM UM PAÍS VIZINHO. POSSO IR LÁ COMPRAR E VOLTAR RODANDO PRO BRASIL?
28- QUAL A PRESSÃO DOS PNEUS?
29- E ACESSÓRIOS, TEM? ONDE ENCONTRAR?
30- É VERDADE QUE A HIMALAYAN QUEBRA, ENFERRUJA, TEM MIL DEFEITOS?
31- POR QUE O ESCAPE FICA AZULADO? TEM CONSERTO?
32- MEU MECÂNICO FALOU QUE TEM QUE REGULAR AS VÁLVULAS DEVIDO AO BARULHO, ESTÁ CORRETO?
33- AQUELE ACESSÓRIO REDUTOR DE VIBRAÇÃO DA CARBERRY FUNCIONA?
34- E A HIMALAYAN 650 VEM PRO BRASIL?
35- DÁ PRA MUDAR A COROA OU PINHÃO DA HIMALAYAN E TER MAIS VELOCIDADE FINAL?
36- AS MOTOS ROYAL ENFIELD SÃO MONTADAS NO BRASIL?
37- TEM PLANO PARA FABRICAR NO BRASIL?
38- SE FABRICAR NO BRASIL, OS PREÇOS VÃO BAIXAR OU SUBIR?
39- QUE MERDA É ESSA DE REVISÃO AOS 500Km?
40- QUAL MODELO DA ROYAL É MELHOR NA ESTRADA?
41- O QUE É BS3, BS4, BS6?
42- AS 500cc VÃO ACABAR?
43- TEM GRUPO DE WHATZAP?
44- E ESSE AFOGADOR DA HIMALAYAN?

 

    

1- COMO É ANDAR NUMA ROYAL ENFIELD?
É BOM DEMAIS! Fiz uma avaliação depois de testar os novos modelos 2017 no lançamento em abril. Ali explica como é andar com elas, e as demais informações (preços, cores). Leia neste link: Testando as novas Royal Enfield 2017. O canal Motorama estava no lançamento e fez as avaliações deles: Lançamento das Royal Enfield em Abril/2017

Em dezembro/17 comprei uma Continental GT 535 e fiz um relato da compra e dos primeiros 1400Km rodados, onde peguei na loja, fui pra Brasília de novo rodando e troquei o óleo no meio do caminho. Leia aqui: Continental GT 535

Em janeiro/19 peguei a Himalayan também, já pensando em moer nas minhas viagens amazônicas e treinos off-road. Foi a primeira vendida, a segunda a sair da loja de Sampa, e já pegou estrada no primeiro dia. O relato e impressões ao pilotar estão aqui: Himalayan estréia na estrada

O Guilherme de Freitas, autor do canal Moto Relax no Youtube conheceu as motos, curtiu a proposta, se tornou proprietário e também é um grande entusiasta. Fez várias entrevistas com proprietários:
Sr. Adail, pioneiro de 2013 – https://www.youtube.com/watch?v=8IT9FHMqt2E
Bruno, pioneiro de 2017 – https://www.youtube.com/watch?v=t-QjACdd0aU
Bressan, pioneiro de 2012 – https://www.youtube.com/watch?v=AKk6aUyp3Vg
Sr. Reinaldo, pioneiro de 2013 – https://www.youtube.com/watch?v=k2r512vmZ2I

Veja também:
– Tem vários outros proprietários entrevistados, confira no canal Moto Relax!
– o vídeo do Sr. Adail explicando tudo sobre o SIDECAR.
– o review da Himalayan feito por um integrante do El Bando Moto Clube em Portugal .

Vídeos de Proprietários:

Himalayan – Flávio Bressan / Brasília –A hima que mais roda e apanha no país
– Anderson Flor / São Paulo – O hacker das modificações técnicas na Himalayan
– Luciano Mendes / Sta Rita Sapucaí – Viagem a Machu Picchu e dicas
– Ros Spider / Pelotas – Mototurismo e aventura pelo sul do Brasil
– Otávio Saab / Londrina – A primeira Hima BR no Atacama!
Bullet 500 – Thiago Moreno – Comprei uma Bullet 500, e agora?
– Thiago Moreno – Avaliação da Bullet após 6000Km
Classic 500 – Adail Lester / São Carlos – Dicas sobre Classic com Sidecar e outras
– Bruno Nascimento / Cuiabá – Mototurismo pelo MT
– Diogo Stachera / Porto Alegre – Viagem pelos Andes
– Carlos Gomes / São Paulo – Canal Azeitona & Cia
– Guilherme Freitas / São Paulo – Canal Moto Relax
– Igor Ura / Araçatuba – Canal Socratinando
– Fernando Cominato / Analândia – Dicas de mecânica para sua Classic
– Flávio Bressan / Brasília – A Classic que fez a Transamazônica em 2015
– Marcos Souza / São Paulo – Canal M Souza081
Continental GT 535 – Flávio Bressan / Brasília – Continental GT viajando pelo Brasil
Interceptor 650 – Renan Becker / Pomerode – Dicas e passeios

Textos e Vídeos Jornalísticos

 

Himalayan – MinutoMotor: Test-Ride Himalayan
– iCarros: Primeiro Contato
– Revista Duas Rodas: Comparativo Lander x XRE x Hima
– TV InfoMoto: Teste Himalayan
Bullet 500 – Tite Simões – Classica zero km Royal Enfield Bullet
– Moto.com.br – Bullet 500 é moto para curtir a viagem sem pressa
– Motorama – Classic 500 do Bressan
– Arnaldo Keller – Testando e rodando com uma Royal Enfield Classic 500
Classic 500 – Infomoto – Avaliacao Royal Enfield Classic 500 no dia-a-dia
Continental GT 535 – Arnaldo Keller – Continental GT uma adorável Cafe Racer
– Motorama – Apresentando a Continental GT – Primeira Cafe Racer de fábrica
Interceptor 650

Continental GT 650

– Suzane.TV: Vídeo da apresentação para a imprensa
– VRUM: Video Primeiras impressões
– MOTOR1 UOL: Texto Lançamento das Twins
– MotoRede: Texto Lançamento das Twins
– VivoComMoto: Texto Lançamento das Twins2019 – Salão Duas Rodas:
– André Garcia: Continental GT 650, Interceptor 650 e a Himalayan Sleet 4102018 – Testes e Reviews:
– Webmotors: Vídeo no lançamento California em 2018
– Acelerados: Vídeo no lançamento California em 2018
– FullPower: Vídeo no lançamento California em 2018

    

2- QUE MOTO É ESSA? É CHINESA?
A Royal Enfield é uma pioneira do motociclismo mundial. Fundada em 1901 NA INGLATERRA e em atividade até hoje. Foi líder até os anos 60, criou inovações tecnológicas, venceu competições importantes e concorria com Triumph, Norton, BSA que se uniram em um grupo rival. Todas elas morreram nos anos 70 com o sucesso fabuloso da Honda CB750. A Royal Enfield fechou a fábrica na Inglaterra mas tinha uma fábrica na Índia, criada a partir de 1955 para fornecer motos ao exército indiano. Com a queda da fábrica da Inglaterra, a fábrica da Índia foi vendida aos empresários indianos e nunca parou de produzir. Por isso a Royal Enfield é considerada a marca mais antiga em operação sem interrupções, desde 1901. A Harley-Davidson opera sem interrupções desde 1903. A Indian (1901) e a Triumph (1902) estão ativas hoje, mas tiveram anos e anos sem produção após a primeira falência, são marcas “ressuscitadas”. Não é nenhum demérito, todas merecem respeito por sua história no motociclismo.

 

Na Índia, a Royal Enfield é a líder no segmento de média cilindrada, e a quinta maior fábrica de motos da Índia. Produziu 650mil motos em 2016 (e crescendo), uma operação maior que a da Harley-Davidson que está na faixa de 550mil motos (2016). Desde 2009 a Royal Enfield está em expansão mundial, abrindo revendas nos 5 continentes. Hoje na América do Sul já tem 35 lojas espalhadas por todas as capitais principais e maiores cidades, Chegou ao Brasil em 2010 por um importador parceiro, que saiu do negócio em 2014. A Royal Enfield implantou a subsidiária brasileira em 2015 em São Paulo, analisou o mercado por dois anos e inaugurou a primeira concessionária oficial em São Paulo em 25 de Abril 2017. Ver mais abaixo a lista das novas concessionárias sendo abertas em 2019.

    

3- QUE OUTROS MODELOS TEM?
No Brasil temos desde dezembro de 2012 o modelo Classic 500. Em abril de 2017 chegaram os modelos Bullet 500cc e a cafe racer Continental GT de 535cc. Em janeiro de 2019 chegou a Himalayan 411cc, veja curiosidades do lançamento. E em janeiro de 2020 chegaram as bicilíndricas de 650cc.

No exterior além dos modelos citados tem também Bullet e Classic de 350cc. Existe também um modelo chamado RUMBLER ou THUNDERBIRD (depende do país onde é vendida) de 350 e 500cc que tem tanque de 20 litros, banco em dois níveis, painel mais moderno em relação à Bullet/Classic e seria para um uso mais confortável em viagens. Há também séries especiais com poucas unidades, como a DISPATCH (Motos Classic 500 militares com pintura camuflada. Foram lançadas em julho de 2015, 200 unidades de cada cor – verde, areia, azul – e TODAS vendidas no mesmo dia!), e a REDDITCH (motos Classic 350cc com pintura sólida, lançadas em 2017, homenageiam estilo das Royal Enfield dos anos 50).

Em 7/11/17 no EICMA 2017 (Salão de Milão), a Royal Enfield apresentou dois modelos totalmente novos, utilizando o motor bicilíndrico de 650cc recém-projetado. São a Interceptor 650 e a Continental GT 650. No Salão Duas Rodas em São Paulo 2017, lançaram as Redditch com 500cc, inéditas no mundo. No início de 2018 lançaram uma série especial com 500 unidades da Himalayan chamada Sleet, com pintura branca/cinza e malas laterais de alumínio. Para janeiro 2018 houve o lançamento das Thunderbird 350X e 500X. Em Junho 2018 a Royal lançou a Série limitada Pegasus, homenageando as motos utilizadas na Segunda Guerra Mundial. A Pegasus tem 500cc e são apenas 1000 unidades para o mundo. A Royal Enfield trouxe 60 unidades da Pegasus para o Brasil em setembro/2018. No final de agosto 2018, lançaram na Índia as 350cc Série Signals, homenageando o Exército Indiano e gerando revolta com clientes indianos da Pegasus, por sua semelhança.

No dia 5/11/18, após anos de desenvolvimento, as bicilindricas 650cc foram lançadas no mercado, inicialmente na Califórnia. Já estão sendo vendidas em vários países. No Brasil a previsão era pro final de 2019 ou inicio de 2020, dependendo do processo de homologação do motor nos órgaos federais. As Twins 650cc acabaram sendo lançadas no Brasil em 22/01/2020, veja aqui as curiosidades sobre o lançamento das twins .

No evento EICMA 2018, a marca apresentou um modelo conceitual chamado KX Concept, inspirado em sua V2 KX 1140cc de 1938! Ainda um exercício de design, sem pretensões de fabricação, para mostrar ao público que mesmo “tradicional” a empresa está de olho no futuro.

Em março de 2019, a Royal Enfield homenageia suas motos campeãs de off-road entre 1948 e 1953, lançando as TRIALS WORKS REPLICA. São Bullets de 350 e 500 cilindradas, com pneus mistos, escape alto, bagageiro no lugar do banco do garupa. Entre outras mudanças visuais, destaca-se a pintura “chamativa” que é similar a das competições dos anos 50. Para ter uma idéia, elas venceram seis vezes o International Six Days Trial, que é “apenas” o pai do motocross de hoje!

No Final de 2019, as Himalayan Sleet foram oferecidas no Brasil como uma série especial de 100 unidades.

MODELO CILINDRADA INFO BRASIL
Interceptor 650 e Continental GT 650 650 LINK
Lançadas mundialmente em 23/09/18
2017: Final de 2018
2018: até Julho/2019
2019: Salão Duas Rodas
Continental GT 535 LINK Disponível desde 25/04/2017. Saiu de linha, devido ao lançamento da Continental GT 650
Classic 500 LINK Disponível desde 25/04/2017
Bullet 500 LINK Disponível desde 25/04/2017
Rumbler/Thunderbird 500 LINK Sem previsão
Série REDDITCH 500 Originalmente eram 350cc na ÍNDIA! Lançadas NO BRASIL as Redditch 500cc em NOV/17 no Salão 2 Rodas
Série Especial Pegasus 500 Conheça a origem da Pegasus Lançada no BR em 18/09/2018. Apenas 60 unidades vieram pro Brasil!
Série Especial Dispatch 500 Série Despatch toda vendida em meia hora! Só se vc customizar a sua!
Bullet Trials Work Replica 500 Lançada 26/03/19 na Índia sem previsão
Himalayan 410 LINK 22/01/2019 veja matéria
Série Especial Sleet 410 Lançamento da Himalayan Sleet 20/11/19 – disponível nas concessionárias, apenas 100 unidades.
Bullet 350 LINK Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Classic 350 LINK Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Rumbler/Thunderbird 350 LINK Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Rumbler/Thunderbird Série X 350 Comparação da Série X com a Thunderbird original Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Série REDDITCH 350 Lançamento Série Redditch na ÍNDIA! Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Série SIGNALS 350 TEXTO
VIDEO
Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras
Bullet Trials Works Replica 350 TEXTO Sem previsão. A configuração atual dos motores 350cc ainda não atendem as normas antipoluição brasileiras

    

4- QUAL É MAIS CONFORTÁVEL PARA GARUPA, BULLET OU CLASSIC?
O banco da Bullet é mais largo, com espuma fina. O banco de garupa da Classic é mais estreito mas tem espuma alta. A sensação de conforto é pessoal, o ideal é você fazer o test-ride nas duas motos com sua garupa presente. Mas nem sempre temos condição de fazer o ideal não é mesmo? Relatos de outros proprietários da moto que fizeram os dois rides tem apontado que o da Bullet é mais confortável por ser largo. De qualquer forma, sempre se pode levar o banco a um capoteiro e fazer um novo enchimento adequado à sua necessidade.

    

5- VAI TER OUTRAS REVENDAS NO BRASIL?
Sim! A estratégia da empresa é crescer no mundo todo. Se tem 9 revendas na Colômbia, porque não teria muitas mais no Brasil? A motoca é 10, falta o brasileiro conhecer melhor. Cobre iniciativa daquele seu amigo empresário de revenda de motos na sua cidade!

ATUALIZAÇÃO 2019: No lançamento da Himalayan no Brasil, em 22/01/19, foi revelado que em 2019 a meta são 10 novas revendas (BH, Rio de Janeiro, Curitiba, Brasilia, Campinas e mais 5 cidades), e também mais oficinas autorizadas. No Salão Duas Rodas em novembro/19, saiu notícia informando sobre Florianópolis e a segunda revenda em Sampa.

ATUALIZAÇÃO 2020: No lançamento das Twins em 23/01/20, saiu a informação que vai ter em Campo Grande, MS! Agora em JUNHO/2020 está forte o boato que a próxima será em RECIFE ou JOAO PESSOA!

Veja o nosso MAPA COLABORATIVO ROYAL AMERICA DO SUL. Ajude-nos a atualizar com novos pontos de interesse (revendas, oficinas, etc) no Brasil e exterior.

CIDADE ENDEREÇO CONTATO REDES SOCIAIS
São Paulo  Capital Showroom: Av. República do Líbano, 2099 – Ibirapuera
Oficina: Av. Chibarás, 988 – Moema
Inaugurada em 27/04/2017
Showroom: (11) 5051-7700 ou 95486-1718
Oficina: (11) 5052-1744, (11) 5051-2996
SITE
FACE
INSTA
Brasília Setor Concessionárias Aeroporto – Lago Sul
Inaugurada em 20/03/2019
(61) 2107-9900 ou 98371-7650 SITE
FACE
INSTA
Curitiba AV. Mario Tourinho, 710 – Seminário
Inaugurada em 19/06/2019
(41) 3075-0537 ou 99126-5154 SITE
FACE
INSTA
Campinas/SP Av Barão de Itapura, 1996 – Jardim Guanabara
Inaugurada em 19/08/2019
(19) 3381-2004 ou 99509-9900 SITE
FACE
INSTA
Ribeirão Preto Av. Francisco Junqueira, 3200
Inaugurada em 19/10/2019
(16) 3325-3830 ou 99295-2542 SITE
FACE
INSTA
Belo Horizonte Av. Barão Homem de Melo, 2510
Inaugurada em 30/11/2019
(31) 2116-0000 ou 98424-5632 SITE
FACE
INSTA
Rio de Janeiro Av. Lúcio Costa, 6388 – Barra da Tijuca
Inaugurada em 14/03/20
(21) 3504-5700 SITE
FACE
INSTA
São Paulo Tatuapé Rua Serra do Japi, 1452 – Jd Anália Franco
Inaugurada em 22/06/20
(11) 2675-9526 SITE
FACE
INSTA
Florianópolis Rua Candido Ramos, 464 – Capoeiras
Inaugurada em 21/03/20
(48) 3089-8900 INSTA
Campo Grande MS Av. Ricardo Brandão, 279 – Jardim dos Estados
Inaugurada em 28/03/20
(67) 4042-0424 SITE
FACE
INSTA
Recife a descobrir o local, TALVEZ AQUI a descobrir a data INSTA

    

6- TEM EM QUAIS PAÍSES VIZINHOS?
Tem em quase todos! Desde 2009 a Royal Enfield iniciou suas operações na América do Sul, incluindo o Brasil. Aqui tivemos o parceiro importador até 2014, e depois a marca veio oficialmente. A relação completa dos países com revendas Royal Enfield (54 países em 06/09/2018) fica neste LINK. Veja a tabela abaixo, e note que existem revendas em vários países vizinhos!

Veja o nosso MAPA COLABORATIVO ROYAL AMERICA DO SUL. Ajude-nos a atualizar com novos pontos de interesse (revendas, oficinas, etc) no Brasil e exterior.

País Início Operação Lojas
Colômbia 2009 Própria Bogotá, Barranquila, Bucaramanga, Cali, Cúcuta, FloridaBlanca, Ibagué, Medellin, Monteria, Pasto, Pereira, Popayan, VillaVicenzio
Uruguai 2010 Importador Montevideu e Punta del Este
Paraguai 2010 Importador Assuncion
Bolívia 2010 Importador La Paz, Cochabamba, Sta Cruz de La Sierra, Oruro, Trinidad, Tarija
Chile 07/09/17 Importador, antes outro importador Santiago, Concepcion, Temuco
Equador 2016 Importador Quito, Guayaquil, Cuenca
Peru 08/01/14 Importador Lima e Trujillo
Brasil 25/04/17 Própria, antes via importador desde 2010 São Paulo, Brasília, Curitiba, Campinas, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Florianópolis, Campo Grande/MS
Argentina 13/03/18 Própria, antes via importador desde 2010 Buenos Aires, Cordoba, Rosario, Yerba Buena, Villa La Angostura
Costa Rica Importador San José
Guatemala Importador Cidade da Guatemala
México Própria, antes via importador Cidade do México, Puebla
Estados Unidos Própria, antes via importador presente em 35 estados!!
Canadá Própria, antes via importador Calgary, Edmonton, Langley, Sooke, Windsor, Acton, Oakville, Rockland, Toronto, Montreal

    

7- SERÁ QUE É VISADA? QUANTO É O SEGURO?
Como que uma moto que não serve pra fugir nem pra ostentar vai ser visada por ladrões? A outra causa de roubo é encomenda, o mercado de peças roubadas. E aí vai da SUA atitude de não ficar encomendando peça nas “robauto” da vida. As peças da Royal são baratas, então deixe de pilantragem. O valor do seguro depende de um monte de coisas. No meu perfil (48 anos, Brasilia) deu na faixa de 1000 reais. Pilotos mais jovens e moradores de SP e RJ pagam mais caro, até 2000 reais. Meu seguro faço com a corretora ALL RIDERS, que é pioneira no ramo. Entre no site e faça sua cotação.

    

8- POR QUE O MOTOR É FRACO ASSIM?
As clássicas tem um monocilindro de projeto antigo, robusto, pesado, feito pra durar, não pra fazer racha com CB300 nos semáforos. A potência de 27cv (Bullet e Classic) e 29cv (GT 535) pode ser baixa para os dias de hoje, mas é adequada para a proposta da moto (tocada tranquila, economia e durabilidade). Vá ver o torque que essa moto tem e o prazer de pilotar que ela proporciona! Não é defeito, é característica! 😉

ATUALIZAÇÃO 2019: A Himalayan é um projeto todo novo, mas também prioriza o torque em baixa rotação. A potência de 25cv é compatível com projetos refrigerados a ar do mesmo estilo, como a antiga Falcon. As Twin 650 tem 47cv, e já tem gente reclamando que são fracas só de olhar a ficha técnica. A proposta das Royal é serem simples de usar e acessíveis ao público, não de serem as top de desempenho e esportividade. Rode primeiro, fale depois.

    

9- QUAL O CONSUMO DE GASOLINA?
Os modelos de 500cc consomem de 30 a 35 Km/l na cidade, e 23 a 30Km/l na estrada. Tudo depende do acelerador! É uma moto de muita força em baixo giro, por isso na cidade a Royal Enfield é mais econômica. Na estrada, o giro é mais alto, e assim o consumo fica maior.

ATUALIZAÇÃO 2019: O consumo da Himalayan informado pela fábrica tem média geral de 28Km/l. Na prática tem variado entre 23 a 32 conforme a gasolina e a tocada. Ver o relato Himalayan estréia na estrada, onde constam detalhes dos abastecimentos da moto do Bressan. O consumo das TWIN 650, reportado pelo Nagib de Brasília que rodou 700Km com uma nos EUA, foi na média de 25Km/l.

    

10- QUAL A VELOCIDADE MÁXIMA?
A MINHA Classic 500 ano 2012 chegou a 147Km/h no plano, pelo GPS. Não recomendo! Quer correr, compre outra moto. As motos 2017 tem outras restrições devido ao controle de emissões de poluentes e não estão chegando aos meus 147Km/h. A Bullet tem o mesmo motor então a máxima deve ser similar. A Continental GT é um pouquinho mais rápida de tudo, e consegui 150 em estrada plana (modelo 2017).

ATUALIZAÇÃO 2019: A Himalayan chega a 130 no plano e 140 na descida. Na prática, a velocidade de cruzeiro sozinho é de 100 a 110 com folga para ultrapassagens. Com garupa e bagagens, depende do peso total, mas dá pra rodar a 110 tranquilo. Douglas Xavier mudou o kit relação e atingiu 160Km/h com sua Classic 500 Stealth Black! Para as Twin 650, foi reportado 180Km/h de máxima.

    

11- MAS ELA VIAJA? AGUENTA?
COM CERTEZA! Viajei com minha Classic 500 desde o primeiro dia, saiu da loja em Sampa e foi pra estrada, pra Brasília. Fui com calma, amaciei direito, e depois fui aumentando os passeios. Fui pra BH, Sampa de novo, Bahia, e em 2015 fiz o Tocantins e a Transamazônica sozinho com ela. Um trajeto de 7200Km que teve 2000Km de terra. Viajei normalmente, por asfalto, terra, rodei o dia todo, vários dias seguidos. A moto resistiu muito bem sem qualquer problema. Viajo a 110Km/h mesmo em outras motos mais potentes que tive, é o meu jeito. Se precisar, ela tem folga pra ultrapassar a 120, 130. Em ladeiras suaves você nem sente, e em ladeiras mais íngremes tem que baixar a marcha pra obter mais força. Igual a qualquer moto.

Conheça o LIVRO DE AVENTURAS, onde registramos algumas viagens usando as Royal Enfield no Brasil, e se surpreenda. E se você tem uma Royal e viajou com ela, registre a viagem lá no livro! É história que precisa ser preservada e relembrada!

ATUALIZAÇÃO 2018: Mesma coisa com a GT 535, que uso na cidade mas já viajei pelo sul/sudeste com ela tranquilamente (até offroad fiz com a coitada!).

ATUALIZAÇÃO 2019: A Himalayan tenho usado na cidade, offroad e estrada desde o primeiro dia. Assim como vários outros proprietários. A dica pra Himalayan é DESISTIR de correr. É moto pra viajar a 105Km/h de boa, com folga pra ultrapassagens ainda. Se quiser rodar a 120 direto por horas a fio, vai estar no limite da moto e isso nunca é bom.

    

12- MAS ELA VIBRA MUITO?
Sim, a Bullet, Classic e GT vibram! Do mesmo jeito que vibra qualquer moto de um cilindro grande, como a Honda Falcon 400, Suzuki Savage 650, Suzuki DR650 e Suzuki DR800. Você vai sentir a vibração nos espelhos, nas manoplas e nas pedaleiras. Dependendo da rotação do motor, vibra um pouco mais, ou um pouco menos. Normal de qualquer moto. Mas pilotando, não é o fim do mundo, não cai dente, não perde a mão, e com a prática você acostuma. É comum cair uns parafusos da capa do escape, e sabendo disso você sempre dá um confere, um reaperto. Nada diferente do que fazemos com outras motos vibrantes.

ATUALIZAÇÃO 2019: A Himalayan tem motor novo, projeto novo, mais equilibrado. Vibra quase nada até 110, e vibra um pouco acima disso, aparecendo nas pedaleiras do piloto. Considero que vibra menos que as concorrentes. As Twin 650, pelo tipo de motor e construção, não vibram.

    

13- DÁ MUITA MANUTENÇÃO?
A minha Classic 500 agora em maio/2018 está com 55000Km rodados, e do tanto que eu bati nela, surrei, demoli nas estradas de chão, só precisei de corrente (quebrei duas por minha conta, de propósito testando a duração) e do rolamento do guidão. Defeito causado por outros, teve a questão da gasolina adulterada com solvente em Pirapora e João Pinheiro MG – Rede Petrominas, fuja! Fez mal ao bico injetor e tive que trocar. Fora isso, a moto não deu problema, e como é um projeto simples, qualquer mecânico decente pode fazer as regulagens. Melhor ainda é você se animar a aprender e mexer você mesmo, pois é tudo muito simples.

ATUALIZAÇÃO 2018: Os novos proprietários das motos 2017 tem confirmado a resistência da motoca, embora algumas poucas ocorrências tenham acontecido. Coisas banais (parafuso da capa do escape caindo devido à vibração naquele ponto, espelho com manchinhas na prata) e outras mais críticas (ajuste da lona de freio traseiro nos modelos sem ABS, coroa da Bullet quebrando dentes). Tudo serviu para melhoria da entrega técnica da moto, revendo esses itens antes de passar a moto pro dono. E o atendimento em garantia tem surpreendido a moçada, positivamente.

ATUALIZAÇÃO 2019: A Classic teve uma ocorrência de quebra de raios que ficou famosa no país. O rapaz conseguiu quebrar 16 raios de uma vez só em sua viagem inaugural de Sampa a Porto Alegre. Acendeu o alerta de todos sobre os cuidados com o aperto dos raios, e a suspeita de algum lote ruim. Houve relatos de quebras de um ou outro raio esporadicamente depois disso. Com a Royal trocando em garantia. Alguns proprietários trocaram toda a raiação por conta própria, utilizando raios compatíveis de outra moto. Outro problema com a Classic é a mangueira de ar atrás do filtro de ar, que com o tempo racha e entra ar onde não deve. A moto fica fraca e não passa de 100Km/h. Troca da mangueira em garantia não resolvia, voltava a aparecer o problema, alguns clientes fizeram por conta própria um reforço interno na mangueira para ela não ficar amassando, assim evitando as rachaduras na borracha. A Himalayan teve um boom de reclamações, geralmente coisas pequenas de acabamento, ruídos no farol, painel condensando umidade no vidro (normal) ou entrando água (defeito). Coisa mais séria foi o desalinhamento de algumas rodas que provocava uma puxada pra direita (ajustar e alinhar, coisa simples), meladinho de óleo no cabeçote (reapertar ou trocar parafusos em garantia) e o ruído anormalmente alto das válvulas EM ALGUMAS MOTOS (trocar o cabeçote em garantia). No uso “pauleira”, pode ocorrer do farol trincar a parte de trás da carcaça (cole com cola de reparar parachoques! não existe carcaça melhor ainda e trocar na garantia só vai repetir o problema mais tarde. Quando tiver carcaça nova versão mais resistente avisaremos). Da parte de MANUTENÇÃO do que importa de verdade (motor, quadro, suspensão), sem problemas.

ATUALIZAÇÃO 2020: Os relatos de problemas com Bullet e Classic praticamente sumiram. O caso da mangueira de ar da Classic basta trocar na concessionária em garantia, já existe uma versão nova desta mangueira, mais resistente. Na Himalayan tivemos pelo menos 15 ocorrências de quebra de motor e a análise (dos proprietários) indicou que a himalayan tem sensibilidade à gasolina adulterada em alta rotação. A baixa octanagem da mistura adulterada provoca batida de pino (detonação do combustível antes da faísca da vela) acima de 5500 RPM por longo período de tempo. Ocasionando a quebra do pistão! Os casos foram atendidos em garantia normalmente. A situação já está na engenharia da Índia para desenvolvimento da correção. Esperamos que um novo mapa de injeção e curva de avanço resolva definitivamente. A grande dica para conservação da sua moto, e que já salvou algumas motos na estrada, é: viajando em alta RPM, escutou o grilado alto no motor, sentiu enfraquecimento da moto, é sinal que a gasolina está fora dos padrões corretos. Baixe para 4500rpm, ou 4000rpm e troque a gasolina no próximo posto. Em viagens, procure entrar na cidade e usar o posto dos moradores, não os de beira de estrada. Pode ocorrer com postos com e sem bandeira, tá feia a coisa meu amigo! Atenção: com gasolina boa, dentro dos padrões, pode viajar tranquilo em alta velocidade, o problema é causado pela nossa gasolina bichada. Veja o vídeo do Bressan explicando o problema na moto dele, e o Adail explicando a causa do problema.

    

14- O QUE FAZ NA REVISÃO?
1 – Se você tem a moto, LEIA SEU MANUAL!
2 – Não sei o que as concessionárias fazem, pois há anos não levo moto minha em concessionária. Eu troco óleo e filtro de óleo da Classic a cada 3000Km (lubrax 20w50 mineral), e a cada 12000Km desmonto a moto toda, inspeciono tudo, engraxo e lubrifico. Troco óleo das bengalas. Regulo as válvulas. Verifico os rolamentos. Troco tudo que tiver que trocar. E cito de novo, em 60000Km só precisei do rolamento do guidão até hoje, pelo uso extremo em estradas de chão. Esse tipo de revisão eu faço em qualquer moto que tenho, é o meu sistema. Eu viajo muito e pra longe, preciso da moto pronta sempre pra tudo. Leva vários dias pra ser feita, não é aquela enganação de concessionária típica brasileira onde a moto entra de manhã e sai de tarde lavada porcamente.

ATUALIZAÇÃO 2018: Os amigos de SP com Classic e Bullet que tem usado a concessionária estão muito satisfeitos com o pessoal, basta acompanhar os relatos na FANPAGE do facebook. Na GT535 minhas trocas de óleo/filtro faço a cada 5000Km (Oleo Motul 15w50 semisintetico) e a revisão megapower faço a cada 10000Km. Ver vídeo da revisão 18000Km da GT

ATUALIZAÇÃO 2019: O lançamento da Himalayan trouxe grande volume de público na Concessionária SP, que decaiu um pouco no atendimento comercial, demora de retorno de contatos (zap, email, etc). Recomendo sempre que LIGUE na loja. Quem tem pressa LIGA, não manda mensagem de texto. Na parte da oficina teve giro de supervisores e mecânicos. O pouco que precisei em SP, sempre fui bem atendido. Agora temos concessionária no DF, mas levarei no meu mecânico de confiança porque faço revisão mais do que o manual indica. As novas concessionárias Curitiba, Campinas, Ribeirão Preto estão sendo reconhecidas terem qualidade BEM melhor que SP, mas sempre tem um caso ou outro de alguém insatisfeito (pra mim normal, não se consegue satisfazer todo mundo sempre). Na Himalayan comecei fazendo a troca de óleo aos 10000Km, mas agora já faço a cada 5000Km. E as revisões megapower a cada 10000Km. Veja os vídeos da Revisão 10K e Revisão 23K

    

15- MORO LONGE DA CONCESSIONÁRIA, COMO FAÇO?
Se a moto é do seu gosto, pode comprar e transportar para sua cidade. A loja tem indicação de transporte confiável. Ou pode ir rodando, sem problemas. Vários estão fazendo isso. A única recomendação minha é fazer a troca de óleo aos 500Km. Compre o kit revisão na Concessionária (filtro, óleo, o-rings/arruelas) e troque em alguma boa oficina no caminho para sua cidade. Não conhece uma boa oficina, pergunte na cidade. Exercite o contato, a amizade, o motopurismo! O Cominato (ver o link lá no inicio da página) fez um vídeo sobre a troca de óleo que explica tudo. Em relação a oficinas, CONSULTE O MAPA que foi citado mais pra pra cima, que lá tem várias oficinas indicadas pelos proprietários.

    

16- MAS PODE RODAR SEM PLACA?
Pode! Direto pra casa, com a NF na mão. Fiz isso com a minha Classic 500 em 2012, e de novo com a Himalayan agora em 2018. O mais rápido possível você deve iniciar o processo de emplacamento na sua cidade. Você pode também perguntar no Detran da sua cidade se pode levar a placa pra SP, lacrar na loja e já sair rodando com ela emplacada. Vai precisar da nota fiscal da moto e do decalque do número do chassi. Fiz isso com a Continental GT agora em 2017.

    

17- MAS E A GARANTIA?
– A garantia é de 2 anos para a Classic, Bullet, GT 535 e Himalayan. E de 3 anos para as Twins 650cc.
– CONSULTE SEU MANUAL, LEIA AS PÁGINAS QUE FALAM SOBRE A GARANTIA, PRA NÃO CHORAR DEPOIS!

A Royal Enfield sempre divulgou que as motos tem pouca manutenção e que:
—- comprando o kit revisão e/ou peças originais nas concessionárias;
—- fazendo as revisões conforme o manual indica (km e itens a serem verificados/trocados);
—- a oficina é legalizada (tem cnpj, fornece nota fiscal do serviço e peças)
a garantia estará coberta.

Converse na concessionária sobre sua necessidade se morar longe.

No meu caso, que comprei as motos zero em SP e fui rodando pra Brasilia (em 2012, em 2017 e em 2019), troquei o óleo 500Km depois e faço tudo com um mecânico de confiança. Após várias péssimas experiências com o “JTolete” faz anos que não dou mais bola pra garantia de QUALQUER fábrica. Isso não existe no Brasil, amigo! TODOS os meus amigos que precisaram de algo SÉRIO da garantia da Honda, Yamaha, Suzuki, BMW, Harley, etc, tiveram que ir pra justiça. Usar a garantia pra um arranhadinho, trocar pisca, lampadinha, é moleza, fácil. Vai tentar exigir a garantia para algum defeito realmente sério em motor, elétrica, injeção, suspensão pra ver se não vai parar na justiça. “Garantia” no sistema brasileiro de atendimento ao cliente é apenas uma amarração que fazem para morder seu dinheiro durante anos. Quantas vezes você já ouviu relato de amigo que fez revisão na concessionária e depois descobriu que o serviço não foi feito? Então vou respeitar garantia pra que? Quem garante minhas motos sou eu e o meu mecânico de confiança. E estamos cansados de ver motos que tiveram manutenção “apenas em concessionária” estarem pessimamente cuidadas.

ATUALIZAÇÃO 2018: Só lembrando que já tem relatos de ótimos atendimentos em garantia feito pela concessionária Royal Enfield em SP, coisa que surpreendeu positivamente muita gente. Problemas acontecem, e a Royal Enfield Brasil mostrou um respeito ao consumidor que não vemos em outras marcas.

ATUALIZAÇÃO 2019:
– inicio do ano – Apareceram alguns casos onde a garantia não foi dada (embreagem ruim depois de elevação do guidão e enforcamento do cabo de embreagem, por exemplo) e outros casos deram garantia normalmente (especialmente o caso do gaúcho quebrador de raios).
– meio do ano – várias ocorrências de atendimentos em garantia, de Bullet, Classic, Himalayan, atendidos e surpreendendo o cliente. E me surpreendendo também, estou pagando a língua!

ATUALIZAÇÃO 2020:
– Apareceram alguns relatos de clientes informando que a regra mudou, tendo algumas dificuldades com a garantia de algumas peças em casos de revisões feitas em oficinas particulares. É muita variação de relatos e peças. Cuidado com “telefone sem fio”, generalizando coisas que são específicas. Cada caso é um caso! Na dúvida, LIGUE VOCÊ MESMO para a concessionária e questione, pergunte sobre o SEU CASO!
– Averiguamos com as várias concessionárias, e entendemos que a novidade é a questão da execução do conserto/reparo em garantia, que será apenas nas concessionárias. Antes era meio solto, permitia-se o conserto em oficina particular utilizando-se peças enviadas pela Royal para você e seu mecânico.

Converse na concessionária sobre sua necessidade se morar longe.

    

18- ENCONTRA PEÇA FACILMENTE NO BRASIL?
As poucas peças que precisei eu peguei em SP com o importador antigo, e chegou em casa no tempo do Correio (PAC, uma semana). Com a nova operação sendo apoiada pela própria fábrica, não tem porque ter receio de faltar peças. Além disso, tem peça no mundo todo pra ela, pois está há muitos anos no mercado. Eu entendo a preocupação de todos com uma marca “nova e desconhecida”, se fosse uma demonha chinesa eu também estaria preocupado. Mas a Royal Enfield é uma empresa consolidada no mundo, apenas desconhecida no Brasil. Pra mim, a moto é robusta, confiável, e pra quem vai rodar sem os meus exageros a motoca vai durar pra sempre. Acho que só vai precisar de peça mesmo quem se envolver em algum acidente com a moto. Veja esta notícia de 27/11/2017: Royal Enfield monta centro de peças em SP

ATUALIZAÇÃO 2019: SIM, faltam algumas peças, e até a existência do centro de peças foi questionada se era verdade mesmo. Itens de reposição frequente e do “kit queda” são mais fáceis de ter no Brasil (manete, espelho, piscas, cabos, farol, etc). Algumas peças pintadas que estragam em acidentes como paralamas e tampas laterais, pode ter no BR em cor diferente da sua moto, e aí depende se aceita repintar ou se traz original da Índia. As duas soluções demoram. Peças com pouca saída, pode não ter no estoque, ou tinha e alguém precisou antes de você. Pode demorar algumas semanas pra vir da Índia. Sem falar que as vezes a peça está no Brasil, mas o sistema de controle não está atualizado (isso se resolve com conversa e paciência).

    

19- AS PEÇAS SÃO CARAS?
Quem vem de moto maior acha barato, e quem vem de motos menores acha caro. Normal, é questão de referencial. A revista Motociclismo fez um levantamento de várias peças, não achei caro. Quando viajei com a Himalayan para a Amazônia, comprei vários sobressalentes, cabos na faixa de 62 reais, pastilhas de freio também na casa dos 60 reais. O filtro de ar da Himalayan acho caro, 110 reais. Os filtros de óleo estão caros, quase 30 reais cada. Os o-rings e anéis de cobre para a troca de óleo, são vendidos a preço de ouro mas você pode comprar isso em qualquer loja de ferragens super-barato. Só pra lembrar: peças originais são caras, não precisavam ser, e existem peças paralelas de vários preços e qualidades. Analise, pergunte, mas não faça gambiarra! Quem vai cair e se machucar é você.

    

20- QUAIS PEÇAS SÃO COMPATÍVEIS COM OUTRAS MOTOS?
Qualquer moto tem peças específicas (motor e quadro, por exemplo) e o resto vem de fornecedores do mercado (freios, filtros de ar e óleo, molas, amortecedores, piscas, espelhos, faróis, lâmpadas, etc). A única troca que fiz na Classic até agora foi guardar os piscas originais e colocar os da Intruder 125, que acha em qualquer esquina baratinho. E coloquei uma corrente de motocross, na largura certa e só ajustei o tamanho. Na Himalayan também troquei os piscas por outros mais apropriados para offroad e guardei os originais. Consulte o valor da peça na concessionária antes, pode nem ser vantajoso pegar uma peça compatível de outra moto. Cada caso é um caso. Só pra lembrar: peças originais são caras, não precisavam ser, e existem peças paralelas de vários preços e qualidades. Analise, pergunte, mas não faça gambiarra! Quem vai cair e se machucar é você.

    

21- QUAL GASOLINA USAR NESSA MOTO?
Qualquer uma! A que tiver no posto! A que você prefere! Eu dou preferência para as superaditivadas (Shell Vpower, Petrobras Grid, Ipiranga DT Clean), depois as aditivadas normais ou a comum. A questão pra mim não é o consumo, é a limpeza interna do motor. Evito a Pódium porque além de cara demais, ela não rende nos nossos motores com taxa de compressão abaixo de 10:1. Tudo explicado com detalhes neste estudo que fiz com 450 tanques por 100.000Km: Gasolina – Teste Prático .

    

22- POR QUE O FREIO TRASEIRO AINDA É A TAMBOR?
Somente a Bullet sem ABS e a Classic sem ABS que tem freio a tambor traseiro. Todos os outros modelos Royal tem disco traseiro. Em 2019 a Bullet deve vir com ABS e freio a disco traseiro também. Embora “arcaico”, o freio a tambor segura muito bem a moto. O cuidado é o ajuste do acionador/vareta, e quando molha MUITO a lona de freio incha e pode travar se estiver sem folga.

ATUALIZAÇÃO 2019: Agora já veio a Bullet com ABS, e tem freio a disco traseiro. Acabou o freio traseiro a tambor nas Royal Enfield vendidas no Brasil.
    

23- SOBRE O ABS, COMO É? E TEM COMO DESLIGAR?
O ABS é oferecido nas Classic e Continental GT. Tem sensor nas duas rodas, e não desliga. As Bullet estão vindo sem ABS ainda, mas a partir de 2019 devem vir também com ABS, para atender a legislação brasileira.

ATUALIZAÇÃO 2019:
– A Himalayan tem ABS também nas duas rodas, e não desliga pelo painel. Mas dá pra tirar o fusível do ABS, e o Anderson fez um vídeo sobre como desligar temporariamente o ABS sem fazer gambiarras.
– Agora já veio a Bullet com ABS, e tem freio a disco traseiro. Acabou o freio traseiro a tambor nas Royal Enfield vendidas no Brasil.

    

24- TEM CONSORCIO? FINANCIA? PEGA MOTO USADA NO NEGÓCIO? QUE CORES TEM? QUANTO CUSTA CAMISETA, LUVA, JAQUETA, ETC?
Só pra lembrar, não sou funcionário da Royal Enfield! Dúvidas comerciais, liguem para as revendas! LIGUEM, não mandem email, zap, inbox de facebook, LIGUEM TELEFONE, VOZ, do jeito antigo! Vejam a lista de revendas na pergunta 5, ou consultem o site oficial da Royal Enfield: Royalenfield.com/br/

    

25- PARCEIROS DE VENDA EM OUTROS ESTADOS

– LONDRINA : Custom Garage – Av. Juscelino Kubitschek 426, Quebec. Fone (43)3026-3415
– GOIÂNIA : Zé Neto Motorcycles – Av. Ipanema 1322, JD Atlântico. Fone (62)3941-5300

    

26- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA. POSSO IMPORTAR?
Eu já fiz essa pesquisa para importar Virago 250 alguns anos atrás. Uma pessoa física precisa acionar um monte de gente no processo (importadora, container, porto, despachantes), fora as centenas de taxas e prazos. A moto acaba saindo muito mais caro. O orçamento de 10 Viragos 250, que lá nos EUA eram 3500 dólares, chegava aqui por 19000 reais, e isso uns 8 anos atrás.

    

27- O MODELO QUE QUERO NÃO VENDE AQUI AINDA, MAS TEM EM UM PAÍS VIZINHO. POSSO IR LÁ COMPRAR E VOLTAR RODANDO PRO BRASIL?
Pesquisei esse assunto para comprar a Himalayan em Bogotá e voltar rodando pra Brasília. A nossa legislação permite a entrada TEMPORÁRIA de veículos APENAS para estrangeiros e brasileiros residentes no exterior, EM VIAGEM. O viajante deve renovar a autorização a cada 90 dias, e a cada 180 dias o veículo tem que sair do país para pegar nova autorização para entrar de novo. Ou seja, se você MORA no Brasil, esquece fazer isso legalmente. Se você quer fazer ILEGALMENTE, é problema seu. “Ah Bressan, mas conheço um cara que mora em Foz do Iguaçu, etc, etc”. Fala com ele então! As cidades fronteiriças tem regras de exceção, e o veículo não pode sair da cidade. Lembra das motos que a OCC fez para o Brasil, aquela que homenageava Brasília? O cara que encomendou as motos fez a entrada temporária dos veículos para participarem de um evento em 2007. Depois não renovou as autorizações, as motos ficaram ilegais, a Receita Federal acionou a Polícia Federal, apreenderam as motos e elas foram leiloadas em 2012. Ou importa legalmente pagando caríssimo, ou espera o modelo chegar oficialmente na concessionária. Não faz rolo não que vai dar merda.

    

28- QUAL A PRESSÃO DOS PNEUS?
O manual da Classic (e provavelmente da Bullet e GT) recomenda 18/22 mas muita gente não se sentiu bem com essa calibragem. Nas revisões na concessionária, elas saem com 26/32. É um sinal de que o manual está errado por algum motivo. Mas veja, calibragem recomendada no manual é apenas uma referência! Calibrar pneu varia com a temperatura, altitude, tipo de pavimento e até com o pneu utilizado. Eu uso pneus mistos on/off road na minha Classic, e calibro conforme o piso que vou passar, com pressão que me sinta confortável/seguro para o trecho. Experimente você também, sem neuras de precisão alemã sobre os valores a serem utilizados.

Atualização 2020: A pressão dos pneus da Himalayan para asfalto, tem um adesivo na balança informando! Não passe vergonha na internet ou no zap perguntando essa joça! Se vai usar no off-road, baixe 7 libras e se não ficar bom baixe mais um pouco. Cuidado pra não furar o pneu nas pedras ou cabeceiras de ponte. Usei 21/21 nas areias do Canion do Viana, e uso 21/28 nas estradas de terra normal. Uso câmaras de ar reforçadas 4mm (pirelli, kenda, vipal, rinaldi são marcas boas) e ainda ponho vacina de pneu. Rodo tranquilo pelos lixões onde treino.

    

29- E ACESSÓRIOS, TEM? ONDE ENCONTRAR?
No Brasil ali por 2012 e 2013 não tinha nada além do sidecar Kozi oferecido pelo importador. Mas de Abril 2017 em diante quando iniciou a concessionária de São Paulo, temos a oferta de acessórios originais e já começaram a aparecer opções no mercado. Veja a LISTA DE FABRICANTES BRASILEIROS especialmente preparada para você! No exterior tem MUITA coisa, especialmente em sites da Índia, obviamente. A desvantagem é o frete, prazo de entrega e impostos de importação, que as vezes encarece demais o produto importado. Tendo possibilidade, estimule a fabricação local e gere emprego no Brasil!

    

30- É VERDADE QUE A HIMALAYAN QUEBRA, ENFERRUJA, TEM MIL DEFEITOS?
A Himalayan (que é uma moto projetada na Inglaterra e fabricada na Índia) foi lançada em 2016 na Índia, carburada, e essa primeira versão teve um % de problemas de qualidade de materiais (quebra de quadro, quebra de parafusos, ferrugem). A galera pesquisando encontra essas fotos velhas e fica preocupada, com razão. A Royal Enfield revisou tudo em abril de 2017, parou a linha de produção por três meses, identificou e corrigiu todas as falhas. A versão atual está sendo muito bem recebida em todos os países para onde é exportada (com injeção eletrônica, ABS, Euro4), sem qualquer sinal daqueles problemas antigos de 2016. Deve chegar aqui no Brasil agora em julho/2018 setembro/2018 outubro/2018 novembro/201822/01/19 veja matéria.

Atualização 2019:
Após 10 meses do lançamento da Himalayan no Brasil, temos vários donos reclamando de vários itens na moto (ruído das válvulas, grilinhos no farol e painel, condensação de umidade no painel, infiltração de água no painel, descanso lateral longo demais, bagageiro fraco, câmara de ar de baixa qualidade, etc). Nenhum deles é relacionado com a qualidade do aço lá de 2016. Para mim, alguns são coisas normais de qualquer moto (condensação de umidade no vidro do painel, por exemplo ocorreu em várias motos minhas de outras marcas), alguns são defeitos e a garantia está aí pra trocar (infiltração de água no painel, por exemplo). Outros são resultado do projeto, e acho que tão cedo não vai mudar (descanso lateral longo demais, bagageiro fraco). O ruído das válvulas tem uma pergunta só pra ele, confira. Grilinhos no farol e painel é coisa para reajuste/reaperto com apoio da Concessionária ou em casa mesmo. Câmara de ar fraca? O pneu fura e a culpa é da indústria de borracha do oriente? Bote logo uma reforçada de 4mm mais a vacina de pneu, que nunca mais vai ficar no prego por causa de furo. Teve um cara que devolveu a moto porque a mangueira de freio dobrou! Menos né galera! Arruma (com ou sem a concessionária) e seja feliz, vai rodar!

ATUALIZAÇÃO 2020: Tivemos pelo menos 15 ocorrências de quebra de motor e a análise (dos proprietários) indicou que a himalayan tem sensibilidade à gasolina adulterada em alta rotação. A baixa octanagem da mistura adulterada provoca batida de pino (detonação do combustível antes da faisca da vela) acima de 5500 RPM por longo período de tempo. Ocasionando a quebra do pistão! Os casos foram atendidos em garantia normalmente. A situação já está na engenharia da Índia para desenvolvimento da correção. A grande dica para conservação da sua moto, e que já salvou algumas motos na estrada, é: viajando em alta RPM, escutou o grilado alto no motor, enfraquecimento da moto, é sinal que a gasolina está fora dos padrões corretos. Baixe para 4500rpm, ou 4000rpm e troque a gasolina no próximo posto. Em viagens, procure entrar na cidade e usar o posto dos moradores, não os de beira de estrada. Pode ocorrer com postos com e sem bandeira, tá feia a coisa meu amigo! Atenção: com gasolina boa, dentro dos padrões, pode viajar tranquilo em alta velocidade, o problema é causado pela nossa gasolina bichada. Veja o vídeo do Bressan explicando o problema na moto dele, e o Adail explicando a causa do problema.

    

31- POR QUE O ESCAPE FICA AZULADO/AMARELADO/QUEIMADO? TEM CONSERTO?
A coloração do cromado do escape é normal ocorrer na curva logo na saída do motor, e lá na ponteira (olhe por baixo da capa!). É resultado do calor naqueles pontos e reações químicas do cromado com o ar em volta. É NORMAL! Alguns casos ocorrem mais cedo outros mais tarde, mas todos ficam amarelados ou azulados com o tempo. Isso acontecia nas motos japas dos anos 80, 90 também. Hoje não se vê muito porque os fabricantes ficaram espertos e disfarçam o problema com canos duplos (o de fora esquenta menos e não fica colorido) ou capas cromadas por cima do cano quente.

    

32- MEU MECÂNICO FALOU QUE TEM QUE REGULAR AS VÁLVULAS DEVIDO AO BARULHO, ESTÁ CORRETO?
O motor da Bullet, Classic e GT tem comando de válvula VARETADO, e tucho hidráulico. O tic-tic é normal, e não precisa regular válvula. Como tem muitos anos que esse tipo de motor não aparece nas oficinas, tem MUITO mecânico (e palpiteiro de plantão) que não conhece essa característica ruidosa NORMAL.

Já o motor da Himalayan é projeto NOVO, tem comando de válvula no cabeçote acionado por corrente, igual a grande maioria das motos modernas. Tem necessidade de ajuste periodicamente, nas revisões, em período indicado no manual da moto. Fora isso, pode ser necessário um ajuste devido ao amaciamento e acomodação das peças. Ponto de atenção é a folga da válvula de escape que é diferente do habitual e mecânicos longe/fora das concessionárias vão estranhar. Faça o ajuste corretamente.

Obviamente, tudo tem um limite, inclusive esse barulho. A primeira coisa a fazer é conferir o nível do óleo, pois se estiver baixo a lubrificação diminui e esse barulho aumenta. Se está muito estranho, diferente de quando era zero, pare a moto, grave um vídeo do motor funcionando e mande para a concessionária (você DEVE ter o zap do vendedor da loja, não?). Compare com a dos outros proprietários, use os grupos de zap/face para fazer contatos. Se todo mundo falar que está normal e mesmo assim você estiver cismado, aproveite uma revisão para fazer o check-up. Te garanto que quando for ANORMAL, você não vai ter dúvidas!

    

33- AQUELE ACESSÓRIO REDUTOR DE VIBRAÇÃO DA CARBERRY FUNCIONA?
Alguns clientes brasileiros compraram, mas não instalaram, pois tem que abrir o motor. Não sabemos se funciona. EU DUVIDO! Se funcionasse já vinha original de fábrica, pois seria um avanço ENORME que bilhões de indianos querem!

    

34- E A HIMALAYAN 650 VEM PRO BRASIL?
A Himalayan 650 por enquanto é um boato especulativo de vários sites indianos. Fizeram até uma fan art q volta e meia reaparece no zap a face do Brasil. Sim, a Hima 650 um passo lógico já q os novos motores bicilíndricos de 650cc foram lançados oficialmente (ver Interceptor e Continental GT). Os jornalistas indianos especulam inclusive em ser possível Bullet 650, Classic 650. Isso tudo aliado a informes oficiais da marca de que vão lançar novos modelos nos próximos anos. Mas não dizem quais, e a Hima 650 sempre foi negada pelo presidente da Royal. De qualquer forma, vamos dizer que lancem em 2020… Chuto 2021 ou 2022 no Brasil. Serão muitas emoções! Até lá, curtam as motos que temos e não contem com o ovo no cruj da galinha.

    

35- DÁ PRA MUDAR A COROA OU PINHÃO DA CLASSIC OU DA HIMALAYAN E TER MAIS VELOCIDADE FINAL?
CLARO QUE DÁ! Em mecânica tudo é possível, basta criar a peça. Para a Classic, Murilo Mareca oferece coroa NACIONAL maior. Carlos Rezende e outros já testaram um novo pinhão pra Classic, veio do exterior. Para a Himalayan, Anderson Flor testou um novo pinhão com 16 dentes. Veja os vídeos do Anderson: ANTES e DEPOIS. Bressan também instalou após a revisão dos 34000Km e já testou no off-road com sucesso também. A moto fica pouca coisa mais lenta nas retomadas e acelerações, o momento das trocas de marcha muda. No início você estranha, mas depois de alguns dias pega o jeito. A Hima ganha 7% de velocidade, baixa 500RPM na quinta marcha (bom!), perde pouca agilidade, quase nada muda no torque, e não precisa mudar a corrente. Peças de performance para as Royal praticamente só vimos no exterior, na loja da HITCHCOCK MOTORCYCLES, nada nacional ainda além da coroa que o Murilo achou. Veja a LISTA DE FABRICANTES BRASILEIROS especialmente preparada para você!

    

36- AS MOTOS ROYAL ENFIELD SÃO MONTADAS NO BRASIL?
NÃO! As únicas fábricas são na Índia (tem 3 unidades de fabricação lá) e as motos são exportadas para todo o mundo inteiramente montadas. Apenas o espelho vem desmontado, para otimizar a caixa. Veja aqui um vídeo das motos nas caixas!

    

37- TEM PLANO PARA FABRICAR NO BRASIL?
Em 2012 quando as motos eram vendidas através de um importador parceiro brasileiro, ele citou existir esse plano. O plano deve existir mesmo, pois um negócio que quer ser mundial precisa saber quanto custa sua estratégia para então decidir se executa ou não. Não sabemos se essa fábrica no Brasil vai se tornar realidade, nem quando. Ainda é muito cedo (na minha opinião). A Royal Enfield não tem nenhuma fábrica fora da Índia ainda, mas anunciou em 03/04/18 que vai abrir uma fábrica na Tailândia, que está prevista para iniciar operação em JUNHO/2019.

ATUALIZAÇÂO 2019: Royal Enfield planeja fabrica na America Latina
ATUALIZAÇÂO 2020: Royal Enfield avança com planos da fábrica no Brasil
    

38- SE FABRICAR NO BRASIL, OS PREÇOS VÃO BAIXAR OU SUBIR?
Espero que baixem, sempre! Mas lembro que comprei a Classic 500 em 2012 por 20000 reais, e hoje 2019 as motos estão na mesma faixa de preço, variando de 18990 a Bullet e Himalayan, até 24000 a top Continental GT 535. Absorveram as variações do dólar e não repassaram aumentos para os produtos. Estão se estabelecendo no mercado, não tem muita margem pra subir preço. Mas BAIXAR, acho que não baixa não!

    

39- QUE MERDA É ESSA DE REVISÃO AOS 500Km?
Primeiro que não é A CADA 500Km como alguns idiotas comentam na internet! A primeira troca de óleo é uma das mais importantes de qualquer moto! O manual dos quatro modelos (Bullet, Classic, Continental GT e Himalayan) indica a primeira troca de óleo e filtro aos 500Km. Também estão indicados lá os itens a serem inspecionados, e basicamente é reaperto de parafusos e raios. Nas minhas viagens inaugurais só troquei o óleo aos 500Km, na casa de amigos, no posto de gasolina, onde dava pra fazer eu fiz. Outras motos zero que tive, a Suzuki Boulevard M800 e a Suzuki Boulevard M1500, japas de alta precisão e qualidade, tinham a primeira troca aos 800Km. Isso quer dizer que as Royal Enfield não tem qualidade de motor, de fabricação, de montagem? Obviamente que não. Cada máquina tem uma especificação, e a delas é essa. Não gostou, não compre! Se gostou e comprou, RESPEITE E SIGA O MANUAL DA MÁQUINA!

    

40- QUAL MODELO DA ROYAL É MELHOR NA ESTRADA?
PRA MIM, o motor maior será melhor na estrada, trabalhará mais folgado. Portanto, a GT 535 NA MINHA OPINIÃO é a melhor na estrada no quesito motor. MAS, ela não tem facilidade para carregar bagagem nem garupa. Praticamente não tem acessórios pra facilitar a instalação de alforges, e a garupa tem que te amar muito pra viajar nela. A Classic e a Bullet, com 500cc, vão rodar com folga também, levam melhor o garupa e já tem vários acessórios no mercado para facilitar levar bagagem. A Himalayan com seus 411cc também viaja bem na estrada, só que com o motor mais “forçado” em relação às 500cc. Todas viajam a 120Km/h, mas a Himalayan estará em 6000RPM, enquanto a GT está em 4000RPM nessa mesma velocidade. Isso também se reflete no consumo de gasolina! O banco da Himalayan é legal pro piloto e pra garupa, a suspensão alta dá um conforto melhor nas estradas ruins, e leva bagagem muito prática com alforges de cordura ou mesmo com as malas metálicas. Resumindo: VOCÊ QUE TEM QUE AVALIAR QUAL USO FARÁ DA MOTO E SUAS NECESSIDADES!

ATUALIZAÇÂO 2020: Com o lançamento das Twins 650 no Brasil, seguindo a minha mesma linha de raciocínio, a GT 650 é melhor na estrada no quesito motor, e a Interceptor terá mais acessórios para levar bagagem e garupa. Mas ainda não chegaram os originais, e os fabricantes nacionais não começaram a fazer, depende dos donos levarem a moto pra eles fazerem os gabaritos.

 

    

41- O QUE É BS3, BS4, BS6?
É o nome e versão da norma anti-poluição da Índia. Na Europa se chama EURO, aqui no Brasil se chama PROMOT e na Índia se chama BHARAT STAGE. Não é versão da moto! Desde 2000 a Índia vem adotando controles e normas anti-poluição para reduzir as emissões poluentes de seus veículos.

    

42- AS 500cc VÃO ACABAR?
SIM, MAS NÃO É AMANHÃ! O governo da Índia anunciou a evolução de sua norma anti-poluição no final de 2017 e surpreendeu a indústria toda, pulando os parâmetros similares aos da EURO5 e indo direto para algo compatível com a EURO6. E valendo a partir de MARÇO/2020. A indústria teve apenas dois anos para se adaptar. Com esta mudança, na Royal Enfield apenas os motores 650cc novos estão seguindo a regra atualizada. Lá atrás em 2018 a Royal teve que tomar algumas decisões estratégicas e decidiu modernizar os motores 350cc (que são o carro-chefe da empresa NA INDIA) e focar também nos motores 650cc. Isto que gerou inúmeras especulações sobre quais seriam os novos modelos a serem apresentados com os novos motores. No lançamento das TWINS no Brasil (22/01/20) foi feita esta pergunta para o chefão indiano presente, que revelou que os 500cc deixam de ser oferecidos na Índia mas continuarão sendo fabricados e exportados para os mercados onde ele ainda atende a legislação. Brasil incluído. Ou seja, VAI ACABAR MAS DEMORA! Lembre que mais uns 10 anos e estaremos em motos elétricas, então TUDO vai acabar.

    

43- TEM GRUPO DE WHATSAPP?

MAS É ÓBVIO QUE TEM! Hoje tem grupo de tudo e pra todos, porque não teria um grupo sobre Royal no zap? Tem grupos nacionais, regionais, estaduais, municipais… tem no Telegram também, já que alguns grupos no zap lotaram com 255 integrantes. A pergunta certa é QUAL grupo legal pra entrar! 

Dica de segurança: não fique colocando seu numero de telefone em posts de facebook e outras redes abertas pra geral onde você não sabe quem está lendo!

Grupos de usuários no Facebook:
Fanpage Royal Enfield Brasil– a primeira, criada pelo Guilherme e Thys Fernando.
Royal Enfield Himalayan Brasil– a primeira, criada pelo Adilson Soares.
Royal Enfield Customization Brazil– criada pelo Ronaldo para focar em customizações.
Royal Enfield Bullet/Classic Mecânica– criada pelo Fernando Cominato focada na manutenção caseira da Bullet e Classic.
Essas foram as primeiras páginas criadas, mas a galera é dinâmica e já existem várias outras páginas.

Grupos de usuários no Whatszapp: Normalmente não divulgamos o link de entrada, também por segurança. Algumas são mistas (donos e interessados), outras são exclusivas para proprietários.

Royal Enfield Brasil – o primeiro, criado em 2017, praticamente lotado. Reúne donos e interessados. Já tem muita história, amizades pessoais e virtuais, personagens lendários, e muita brincadeira.

Himalayan_BR – o primeiro, criado em 2019, praticamente lotado. Reúne donos e interessados. Já tem muita história, amizades pessoais e virtuais, personagens lendários, e muita treta.

Royal Twins Brasil – criado agora em 2020. Reúne donos e interessados, ainda iniciando sua própria história.
No Zap e Telegram, também a galera é bem dinâmica e já existem dezenas de grupos, nacionais, regionais, estaduais e até municipais eheh.

Uma dica é após comprar uma Royal, já pergunta pro vendedor sobre o grupo de zap da loja.

    

44- E ESSE AFOGADOR DA HIMALAYAN?

A injeção dela é bem simples e não tem ajuste automático de rotação da marcha lenta. O afogador se chama “auxiliar da partida do motor”. Não é só para dias frios, é também uma vantagem a longo prazo: auxiliando o motor a pegar mais rápido, você poupa bateria, combustível, certos componentes do motor e assim prolonga a vida útil ao invés de só esquentar mais rápido. Gire a chave para ligar a moto. Acione o afogador e depois dê a partida. Segure o afogador alguns segundos. Depois abotoe a jaqueta, vista o capacete, vista a luva. Esse tempo o motor aquece, e então bora rodar! Nada de ligar a moto fria e sair acelerando feito retardado, que isso tá fazendo o motor girar antes do óleo se espalhar.

—————-

É isso. Sugestões e novas dúvidas, vou adicionando e pesquisando as respostas. E desculpem se o texto é “bruto”, mas sou direto ao ponto, não fico enrolando nem amaciando. Ninguém tem tempo a perder.