Por Luciano Dini
Saí de São Leopoldo/RS rumo a Bagé com o clima apontando chuva. Vesti a roupa de chuva pra rodar assim mesmo com minha Himalayan. Distância: 400Km. Objetivo: Prestigiar a sessão de autógrafos do Bageense e motociclista Ricardo Lugris.

No evento também estavam expostas duas motos antigas, da coleção de um amigo motociclista também natural de Bagé. Uma DKW e outra Horax. Ele está finalizando a restauração de uma Royal Enfield antiga de 700cc. Me mostrou fotos e vídeos. Pra quem tem dúvida da Himalayan, se respeitar os limites da moto ela vai muito bem no asfalto em distâncias maiores.

 

Por Geliane Gonzaga
Sábado de manhã, dia ensolarado, eu (de Himalayan) e meu irmão (de Tiger) saímos de Franca/SP para percorrer 800km até Curitiba. Saímos via Anhanguera até o rodoanel sul para acessar BR-116. A hima se comportou de maneira perfeita com média de 24 a 28km por litro. Sempre a uma velocidade de cruzeiro de 100/110km fomos direto, só parando pra reabastecer. A BR-116 pra mim era novidade. Linda estrada com imagens deslumbrantes que fez a distância se tornar um prazer. Sem nenhum imprevisto as 17h chegamos em Curitiba e fomos direto ao hotel.

Acordamos as 7h pra continuar a viagem, e deu uma certa preguiça devido ao frio! Mas depois de um café top e uma lubrificada na corrente, saímos em direção a Colombo/PR, início da Serra do Rastro da Serpente. Confesso que fiquei impressionado com a região. Cidades pequenas no meio da serra, muitas pequenas comunidades aqui e ali encravadas na linda serra e vegetação imponente fizeram parte do nosso trajeto inicial. E claro, não vou ficar repetindo, curvas e mais curvas. Pra todo tipo de gosto, direita e esquerda em S simples, duplo, triplo e por aí vai. Asfalto perfeito! Logo apareceu uma placa que chama atenção. “Próximos 102km estrada sem acostamento”.

A serra é linda do ponto de vista natural e mais linda ainda no contexto humano, pessoas simples, casas de madeira humildes, não se vê miséria mas comunidades tipo agrovilas, simples mas decentes com dignidade. O lado ruim é que não tem lugares pra tirar foto, pois de um lado barranco, de outro “abismo” e no meio uma rodovia bem cuidada, pista simples e sem acostamento. De carro, um pneu furado será realmente um problema pois é raro o lugar onde se enxerga 100m à frente, de tanta curva. Não é um lugar pra ser “moleque”. É necessário ter maturidade e juízo ou a viagem vai acabar mal. É lugar de curtir, com raríssimos trechos a 80km/h.

Chegamos a uma cidade chamada Tunas do Paraná ou tipo assim, confesso que o nome me fugiu. Uma cidade diferente encravada no meio da serra, muito interessante. Mais à frente, já na divisa estadual temos Adrianópolis/PR e Ribeira/SP, que são separadas por um rio. Ambas as cidades encravadas na serra, deu muita vontade de dormir lá. Tiramos algumas fotos e continuamos agora em SP, na mesma característica de estrada, até Apiaí onde a cidade é bem interessante. Tem um ponto de parada temático, muito legal. Em frente tem um parque com equipamentos desativados de mineração de ouro. Vale a pena conhecer após comprar umas lembrancinhas e atravessar a rua. De Apiaí até Capão Bonito continua o roteiro: curva, curva e mais curva! Chegamos em Capão Bonito e fomos direto ao hotel. Após dar entrada, fomos no Porthal do Rastro da Serpente. É um “point” icônico na região, mas sinceramente um quarteirão atrás um posto inaugurou uma nova lanchonete, chama-se Rota Café. Vale a pena comer um lanche ali, e assim terminou nosso dia.

Acordamos no domingo e voltamos pra casa via Piracicaba / São Carlos / Ribeirão Preto / Franca. Viagem de 460km tranquila, pista dupla sem novidades. Nesse exato momento estou aqui deitado no sofá escrevendo esse relato rsrs, com o corpo cansado mas a alma lavada e leve. Amanhã volto ao trabalho com outra cabeça, com certeza! Super recomendo essa viagem. Quanto à moto, sem nenhuma ocorrência, confiável e confortável. Também super-recomendo kkkk. Abraço a todos.

Por José Orlando Ribeiro
Sou de São Sebastião da Amoreira/PR, proprietário de uma Interceptor 650 desde fevereiro de 2021. Recentemente eu e um grupo de amigos e familiares saímos em viagem e seguimos sentido a Paraty/RJ. Nossa rota subiu a Serra do Rastro da Serpente, passando pelo tradicional motobar Porthal, e seguimos para a Serra da Macaca.

Depois percorremos o litoral paulista pela Rodovia Rio-Santos até Paraty, onde subimos o trecho da Estrada Real “Caminho do Ouro”, que liga Paraty/RJ até Guaratinguetá/SP. Retornamos pela Dutra e Castelo Branco, um passeio de aproximadamente 1800Km de estradas muito lindas que indico fácil para quem quer fazer um “rolê” top!

 

por Marcelo Amaral Tabone

Com pouco mais de 3 meses com a Interceptor Silver Spectre, no auge da pandemia de 2020, só crescia a vontade de fazer um passeio um pouco mais além do bate e volta costumeiro e, assim, comecei a planejar ida até Serra da Macaca. A moto tinha pouco mais de 1800Km. Sentei na frente do notebook e analisei as opções de percurso. Poderia ir “por cima” ou “pelo litoral” e conversando com amigos que já haviam completado esse trajeto com big trails, optei pelo litoral, principalmente pela paisagem / visual.

Assim, no dia 07 de Novembro de 2020, por volta das 07:30h, após rápido café, sai de São Bernardo do Campo/SP, e iniciei a descida da serra da Anchieta. Tinha tudo na cabeça e apenas tentaria aproveitar o máximo. Fui curtindo aquela manhã que prometia calor acima da média. Passei por Mongaguá, Itanhaém e parei para lanche, reabastecer e esticar um pouco as pernas, próximo de Peruíbe. Não lembro da hora, mas estava um calor insuportável e retirei a jaqueta para aliviar um pouco. Retomei estrada e segui na direção de Itariri, Miracatu e Juquiá.

Até Juquiá, a viagem transcorreu sem problemas, poucos carros, visual bonito, alterando entre bananeiras, morros, cheiro de mar. Enfim, tudo perfeito. A moto também esteve impecável durante todo o tempo, diga-se de passagem. Só o banco incomodava um pouco, mas nada que pequenas mudanças de posição e esticadas de vez em quando, não ajudassem a aliviar a dor. Quando cheguei em Juquiá, entrei no município para comprar água, e perguntei para moradores locais se valeria a pena ir até Registro ou se a estrada até Sete Barras era boa. Pelas respostas e levando em conta um bom trecho a mais que andaria, vamos direto a Sete Barras.

 

Foi penoso, o pior pedaço do trajeto! Muitos buracos, remendos mal feitos, asfalto soltando pedaços enormes. E pra piorar, um grande número de pessoas bêbadas que pareciam brotar dos acostamentos. Em vários momentos tive que frear bruscamente e andar a 30/40 km/h para desviar e não atropelar ninguém.

Finalmente cheguei em Sete Barras. Mais uma pausa para água, petisco, etc e verifiquei que faltava pouco para chegar na barreira do Parque Carlos Botelho. A adrenalina tomou conta, além da emoção. Parei na barreira policial e após anotarem dados, telefone, placa etc, orientaram a seguir “direto”, sem pausas longas nos diversos quiosques que tem no trajeto. ok. ok.

Bom, já faz quase um ano que estive lá, voltei mais 2 vezes, uma delas de carro, com minha filha, onde entramos no parque e fizemos as trilhas, e o que posso dizer: simplesmente imperdível, algo surreal em termos de beleza e visual, além das inúmeras chances de ver animais silvestres cruzando o caminho. Parei várias vezes apenas para “sentir” o local. Lindo demais. Eles construíram pontes suspensas para que os animais não sejam atropelados, e possam cruzar a estrada com mais segurança. Uma subida que em condições normais você leva uma hora e meia, digamos assim, levei quase três horas. Não queria ir embora!

Já fiz alguns outros passeios bacanas, mas até hoje, nada que supere tudo o que vi e vivi naquele dia. Recomendo fortemente! Com certeza voltarei outra vez. Grande abraço a todos.

 

por Lorinho

Na capital mineira este ONE RIDE 2021 foi o primeiro realizado! Aproximadamente 70 motos partiram da concessionária as 10h, após um café e orientação sobre a pilotagem em comboio, e percorreram a rota de 60Km até o local da confraternização em Brumadinho. Almoço por adesão e retorno livre. Um destaque foi a passada pela Serra do Rola Moça, com um visual incrível.

Veja como foi o passeio!