Poconé foi fundada por Luiz de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres, em 1777, após ouro ter sido descoberto. Seu primeiro nome foi Beripoconé, nome proveniente de uma tribo indígena que habitava a região, este vocábulo indígena significa ‘Cidade das Capivaras’. Em 21 de janeiro de 1781, sob ordens de Luís de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres, Antonio José Pinto de Figueiredo criou a Ata de fundação do Arraial de São Pedro d’El Rey. O nome Arraial de Beripoconé não foi usado pelo gentílico ser considerado bárbaro, derivando do gentio ‘habitou nesta paragem’.

Continue reading “Poconé/MT: uma cidade do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense”

A Royal Enfield criada na Inglaterra durante o pós-guerra ainda está viva e não negou fogo: lama, areia e buracos foram vencidos à moda antiga

Relato publicado na Revista Duas Rodas de Janeiro/2016, revisado e ampliado aqui para o site Royal Riders.

Depois de quatro anos acalentando o sonho de atravessar a Transamazônica, no início de 2015 apareceu a oportunidade através do convite de três amigos. 

Continue reading “Uma Clássica na Transamazônica”

No final do ano de 2019, depois de comprovar toda a sua vocação fora de estrada, resolvi levar a Himalayan pra um passeio rodoviário mais curto, Tiradentes/MG, a apenas 346km de distância de casa, é um destino perfeito pra um final de semana, e dessa vez aproveitei pra testar ela garupado, uma vez que na viagem anterior pras Chapadas fiz um voo solo. Na primeira vez que estive de moto em Tiradentes foi com uma 150cc que se comportou até muito bem na estrada mas sofreu com as estradas de pedras do centro histórico da cidade, no melhor estilo de decidir que era melhor estacionar e passear a pé, e a trail da Royal? Se sairia tão bem como na falta de caminhos da Bahia, Tocantins e Goiás?!

Continue reading “Uma trail em Tiradentes”

Em algum lugar de Iraquara/BA, caminho pra Fazenda Pratinha

Logo depois da aventura de começar a andar de moto, comecei a vislumbrar a possibilidade de juntar a isso a vontade de conhecer cantos do nosso Brasil onde talvez um carro convencional não fosse a melhor opção, e o lançamento da Himalayan por aqui no inicio de 2019 caiu como uma luva.

Sempre gostei de viajar, lembro quando pequeno meu pai chegava em casa e colocava tudo no fusca pra viajarmos em familia, pra onde dava, cresci e fui expandindo um pouco esse raio de ação até conseguir atravessar o oceano e ao longo dos anos conhecer melhor aquilo que antes só tinha visto em livro de história na época de colégio… qual seria a nova dimensão? Começar a fazer isso de moto também, mesmo após 7 meses de categoria A adicionada, mas de trânsito com a B desde 1996 ao completar os 18 anos.


Descobri a Classic 500 lendo uma revista 4 Rodas Moto que aparecia de vez em quando nas bancas. Era 2011! A revista citava que a moto estava rodando pelo interior de SP e MG, como parte dos testes necessários para legalização aqui no Brasil. Achei bem curiosa a notícia, pois até onde sabia a marca tinha morrido nos anos 70.

Continue reading “Comprando a Classic 500 em 2012”