Prezados, o bagageiro da Himalayan modelos 2019/2020/2021 Brasil tem limite de peso de 5Kg. Nas primeiras vendas em 2019 isso era alertado pelos vendedores, e posteriormente foi aplicado um adesivo no bagageiro para alertar/relembrar o piloto sobre este limite. Claro que houve muita controvérsia sobre esse limite, e algumas ocorrências de quebra de bagageiro. Caso você queira levar um bauleto traseiro maior, temos hoje três tipos de reforço que podem ser feitos e apresentaremos aqui neste texto.

 

Conforme vimos na palestra técnica de lançamento da moto no Brasil (clique aqui pra ver), a moto foi projetada para carregar peso nos alforges laterais, o que é bem melhor para a ciclística. Nesta posição a carga fica dentro do “triangulo” formado pelas rodas e piloto. Também se pode complementar a carga colocando-a sobre o banco do garupa, obviamente para o viajante solitário.

Com um garupa ocupando o banco, perde-se este espaço para bagagem e uma solução comum é colocar o bauleto traseiro com encosto pro garupa.

Os suportes originais da Himalayan tem função estrutural. Alguns suportes de malas fabricados por terceiros também tem essa característica de reforçar a estrutura. Afastadores de alforges simples não tem esse poder todo, preste atenção a esses detalhes quando for escolher o acessório mais adequado para o seu uso.

 

Existem baús metálicos que vazios já passam de 5Kg então o reforço do bagageiro ou mesmo do quadro é praticamente obrigatório! Fique atento a esse parâmetro quando for escolher/comprar seu bauleto.

A utilização de bauletos leves, que são muito comuns aqui no Brasil pela praticidade de levar e guardar objetos durante o uso diário, além de “estreitar” a moto para passar melhor no corredor, com certeza é viável mesmo sem reforçar o bagageiro (veja a dica no final do texto!).

Depois de algum tempo, os proprietários desenvolveram suas soluções. No Brasil e no mundo, pois lá fora também se usa bauleto. A boa notícia é que na Hima 2021 India (provável 2022 Brasil) já será de 7Kg, ficando igual ao limite da XRE300 e da Lander e minimizando essa necessidade de reforços adicionais para grande parte dos proprietários.

Conhecimento baseado na experiência de vários pilotos, aproveite e evite a quebra do seu! Todos eles podem ser feitos em qualquer serralheiro decente na sua cidade.

 

REFORÇO TIPO 1 – CARGA LEVE

Para bauleto e carga leve. Pode ser feito de chapa ou de cano, conectando a ponta do bagageiro com a curva onde está o ferro que vai pra baixo do banco do garupa. Transfere esforço para essa curva, e poderá ocorrer a quebra da alça do bagageiro. Aprendemos este com um australiano, que reforçou o triângulo superior, quebrou a alça, e depois reforçou a alça também. Foto enviada pelo amigo Kleber Dias.

O reforço antigo da Chapam (cod 12131) encaixa nesta categoria. Com a desvantagem de quando quebra o bagageiro, este produto leva o esforço para a chapa embaixo do banco, que também quebra e aumenta o prejuízo. Evite este produto, ou mantenha a carga leve!

 

REFORÇO TIPO 2 – CARGA MÉDIA

Design criado pelo Marcelo Raposo da Serralheria Rosart de São Caetano do Sul, SP. Um tubo soldado em três pontos. Foi testado OK com bauleto e carga até 10Kg, em viagens de asfalto e off-road. O bagageiro Chapam (cod 12283) se encaixa nesta categoria.

O tipo 2 protege o bagageiro mas transfere peso para o quadro, e em caso de carga pesada poderá ocorrer fratura da curva do quadro no ponto aproximado entre os dois bancos.

Foto enviada pelo amigo João Thiago, DF, que fabrica este reforço em Brasília.

 

 

 

 

 

 

 

REFORÇO TIPO 3 – CARGA PESADA

Para bauletos grandes e carga pesada, ou mesmo para o caso do garupa ter encosto no bauleto e se apoiar durante a viagem, este reforço é fundamental! A viga entre a ponta do bagageiro (tem que ser na ponta, pessoal!) e a pedaleira do garupa vai servir como reforço de quadro, aliviando o peso no ponto crítico de quebra. Pode ser feito com cano ou barra.

Foto do amigo Kleber Dias, que foi o primeiro a fazer o tipo 3 aqui no Brasil após quebrar o bagageiro e a alça com o reforço tipo 1.

 

 

Exemplo de reforço tipo 2 e 3 na mesma moto, do João Thiago DF!

 

 

 

 

 

 

 

DICA: Bressan não reforçou o bagageiro da Hima Branca, usou um bauleto Melc de 29 litros e evitava rampar lombadas ou usar bauleto quando em off-road. Nas situações de pegar estrada muito remendada ou esburacada, Bressan amarrava o bauleto firmemente ao quadro/suporte de malas laterais de forma a minimizar a trepidação e solavancos. Nunca teve quebra, mesmo com o bauleto cheio (galocha, capa de chuva, spray de corrente). No caso da Hima Preta e da Hima Cinza, Bressan usa o reforço tipo 2.